31 de out de 2010

O Purgatório existe?


Paz e Bem, amados!
   
Muito se discute sobre o Purgatório e, infelizmente, muitas pessoas criam concepções erradas e acabam por distorcer toda a verdade.

Vamos entender:

  
 Em primeiro lugar, preciso comentar que muitas pessoas negam a sua existência por não aparecer a palavra 'purgatório' na Bíblia, PORÉM, tais pessoas não tem se quer a vergonha na cara de pesquisar sobre o assunto e notar que a Sagrada Escritura está REPLETA de passagens que falam sobre o mesmo.


Eis aqui algumas das passagens:

Mq 7,8-9
2Mc 12,45-46
Mt 5,25-26
Mt 12,31-32
Lc 12,47-48
Lc 12,58,59
1Cor 3,15
1Pd 3,19
1Pd 4,6

Mostrarei a explicação de uma das passagens, retiradas do blog do Prof. Felipe Aquinoo qual escreveu um livro só falando sobre o purgatório("Purgatório: O que a Igreja ensina"):


- Na passagem de Mc 3,29, também há uma imagem nítida do Purgatório:”Mas, se o tal administrador imaginar consigo: ‘Meu senhor tardará a vir’. E começar a espancar os servos e as servas, a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele servo virá no dia em que não o esperar (…) e o mandará ao destino dos infiéis.O servo que, apesar de conhecer a vontade de seu senhor, nada preparou e lhe desobedeceu será açoitado com numerosos golpes. Mas aquele que, ignorando a vontade de seu senhor, fizer coisas repreensíveis será açoitado com poucos golpes.” (Lc 12,45-48). É uma referência clara ao que a Igreja chama de Purgatório. Após a morte, portanto, há um “estado” onde os “pouco fiéis” haverão de ser purificados.

Purgatório é certeza do céu:"Aqueles que morrem na graça e na amizade de Deus, mas imperfeitamente purificados, estão certos da sua salvação eterna, todavia sofrem uma purificação após a morte, afim de obter a santidade necessária para entrar na alegria do céu" (CIC, §1030).

O grande doutor da Igreja, São Francisco de Sales (1567-1655), tem um ensinamento maravilhoso sobre o purgatório. Ele ensinava, já na idade média, que "é preciso tirar mais consolação do que temor do pensamento do Purgatório". Eis o que ele nos diz:
1 - As almas alí vivem uma contínua união com Deus.
2 - Estão perfeitamente conformadas com a vontade de Deus. Só querem o que Deus quer. Se lhes fosse aberto o Paraíso, prefeririam precipitar-se no inferno a apresentar-se manchadas diante de Deus.
3 - Purificam-se voluntariamente, amorosamente, porque assim o quer Deus.
4 - Querem permanecer na forma que agradar a Deus e por todo o tempo que for da vontade Dele.
5 - São invencíveis na prova e não podem ter um movimento sequer de impaciência, nem cometer qualquer imperfeição.
6 - Amam mais a Deus do que a si próprias, com amor simples, puro e desinteressado.
7 - São consoladas pelos anjos.
8 - Estão certas da sua salvação, com uma esperança inigualável.
9 - As suas amarguras são aliviadas por uma paz profunda.
10 - Se é infernal a dor que sofrem, a caridade derrama-lhes no coração inefável ternura, a caridade que é mais forte do que a morte e mais poderosa que o inferno.
11 - O Purgatório é um feliz estado, mais desejável que temível, porque as chamas que lá existem são chamas de amor.



“Ite et inflamate” (IDE E INCENDIAI!)

Pax!

29 de out de 2010

As 3 dimensões do Amor

Assista e ouça a voz do Senhor pela boca de um profeta.


Anderson Luís dos Reis é o fundador da equipe missionária Regina Apostolorum e pregador ungido e carismático da Santa Igreja Católica.


Confira aqui uma pregação muito profética e ardente no fogo do Espírito Santo, ministrada na  Canção Nova.

Download do áudio da pregação: clique aqui.

28 de out de 2010

Bento XVI e o Silêncio dos Bispos

Hoje (28/10) foi publicado no site da Santa Sé o discurso pronunciado pelo Papa Bento XVI, para os Bispos do Nordeste. 
No que toca as Eleições 2010, diz o Papa: "os pastores têm o grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas". 
É a voz do Papa! Agora não tem blábláblá mais não! Bispos do Brasil, que são a favor das idéias maléficas dos partidos abortistas, por favor não sejam mais uma vez desobedientes a voz de Pedro! Ou Santos ou Nada! Quero ver agora, só quero ver!


Veja o discurso completo do Papa Bento XVI.


Amados Irmãos no Episcopado,



«Para vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo» (2 Cor 1, 2). Desejo antes de mais nada agradecer a Deus pelo vosso zelo e dedicação a Cristo e à sua Igreja que cresce no Regional Nordeste 5. Lendo os vossos relatórios, pude dar-me conta dos problemas de caráter religioso e pastoral, além de humano e social, com que deveis medir-vos diariamente. O quadro geral tem as suas sombras, mas tem também sinais de esperança, como Dom Xavier Gilles acaba de referir na saudação que me dirigiu, dando livre curso aos sentimentos de todos vós e do vosso povo.
Como sabeis, nos sucessivos encontros com os diversos Regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, tenho sublinhado diferentes âmbitos e respectivos agentes do multiforme serviço evangelizador e pastoral da Igreja na vossa grande Nação; hoje, gostaria de falar-vos de como a Igreja, na sua missão de fecundar e fermentar a sociedade humana com o Evangelho, ensina ao homem a sua dignidade de filho de Deus e a sua vocação à união com todos os homens, das quais decorrem as exigências da justiça e da paz social, conforme à sabedoria divina.
Entretanto, o dever imediato de trabalhar por uma ordem social justa é próprio dos fiéis leigos, que, como cidadãos livres e responsáveis, se empenham em contribuir para a reta configuração da vida social, no respeito da sua legítima autonomia e da ordem moral natural (cf. Deus caritas est, 29). O vosso dever como Bispos junto com o vosso clero é mediato, enquanto vos compete contribuir para a purificação da razão e o despertar das forças morais necessárias para a construção de uma sociedade justa e fraterna. Quando, porém, os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem, os pastores têm o grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas (cf. GS, 76).

Ao formular esses juízos, os pastores devem levar em conta o valor absoluto daqueles preceitos morais negativos que declaram moralmente inaceitável a escolha de uma determinada ação intrinsecamente má e incompatível com a dignidade da pessoa; tal escolha não pode ser resgatada pela bondade de qualquer fim, intenção, conseqüência ou circunstância. Portanto, seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até à morte natural (cf. Christifideles laici, 38). Além disso no quadro do empenho pelos mais fracos e os mais indefesos, quem é mais inerme que um nascituro ou um doente em estado vegetativo ou terminal? Quando os projetos políticos contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto ou da eutanásia, o ideal democrático – que só é verdadeiramente tal quando reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana – é atraiçoado nas suas bases (cf. Evangelium vitæ, 74). Portanto, caros Irmãos no episcopado, ao defender a vida «não devemos temer a oposição e a impopularidade, recusando qualquer compromisso e ambigüidade que nos conformem com a mentalidade deste mundo» (ibidem, 82).
Além disso, para melhor ajudar os leigos a viverem o seu empenho cristão e sócio-político de um modo unitário e coerente, é «necessária — como vos disse em Aparecida — uma catequese social e uma adequada formação na doutrina social da Igreja, sendo muito útil para isso o “Compêndio da Doutrina Social da Igreja”» (Discurso inaugural da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, 3). Isto significa também que em determinadas ocasiões, os pastores devem mesmo lembrar a todos os cidadãos o direito, que é também um dever, de usar livremente o próprio voto para a promoção do bem comum (cf. GS, 75).
Neste ponto, política e fé se tocam. A fé tem, sem dúvida, a sua natureza específica de encontro com o Deus vivo que abre novos horizontes muito para além do âmbito próprio da razão. «Com efeito, sem a correção oferecida pela religião até a razão pode tornar-se vítima de ambigüidades, como acontece quando ela é manipulada pela ideologia, ou então aplicada de uma maneira parcial, sem ter em consideração plenamente a dignidade da pessoa humana» (Viagem Apostólica ao Reino Unido, Encontro com as autoridades civis, 17-IX-2010).
Só respeitando, promovendo e ensinando incansavelmente a natureza transcendente da pessoa humana é que uma sociedade pode ser construída. Assim, Deus deve «encontrar lugar também na esfera pública, nomeadamente nas dimensões cultural, social, econômica e particularmente política» (Caritas in veritate, 56). Por isso, amados Irmãos, uno a minha voz à vossa num vivo apelo a favor da educação religiosa, e mais concretamente do ensino confessional e plural da religião, na escola pública do Estado.
Queria ainda recordar que a presença de símbolos religiosos na vida pública é ao mesmo tempo lembrança da transcendência do homem e garantia do seu respeito. Eles têm um valor particular, no caso do Brasil, em que a religião católica é parte integral da sua história. Como não pensar neste momento na imagem de Jesus Cristo com os braços estendidos sobre a baía da Guanabara que representa a hospitalidade e o amor com que o Brasil sempre soube abrir seus braços a homens e mulheres perseguidos e necessitados provenientes de todo o mundo? Foi nessa presença de Jesus na vida brasileira, que eles se integraram harmonicamente na sociedade, contribuindo ao enriquecimento da cultura, ao crescimento econômico e ao espírito de solidariedade e liberdade.
Amados Irmãos, confio à Mãe de Deus e nossa, invocada no Brasil sob o título de Nossa Senhora Aparecida, estes anseios da Igreja Católica na Terra de Santa Cruz e de todos os homens de boa vontade em defesa dos valores da vida humana e da sua transcendência, junto com as alegrias e esperanças, as tristezas e angústias dos homens e mulheres da província eclesiástica do Maranhão. A todos coloco sob a Sua materna proteção, e a vós e ao vosso povo concedo a minha Benção Apostólica.
Fonte: Vaticano
Deus abençoe a todos! Estamos em uma felicidade sem igual!
Ubi Petrus, Ibi Ecclesia.
PAX!

27 de out de 2010

Devo ajoelhar-me na Santa Missa?

No simbolismo litúrgico oficial da Santa Igreja Católica Apostólica Romana, o ato de ajoelhar é o mais significativo gesto corporal de adoração à Nosso Senhor Jesus Cristo, Presente Verdadeiramente no Santíssimo Sacramento do Altar em Corpo, Sangue, Alma e Divindade (Catecismo da Igreja Católica, 1373-1381).


Tenho escutado, entretanto, repetidos relatos de situações que fiéis católicos tem passado tanto aqui no Brasil como em outros países, diante de sacerdotes e ministros da comunhão eucarística que tem negado ministrar o Corpo de Nosso Senhor à quem deseja recebê-Lo ajoelhado, muitas vezes determinando que o fiel se levante em plena fila da Sagrada Comunhão, fazendo-o passar por uma situação humilhante e constrangedora e gerando um escândalo enorme. Mas o que diz a lei da Santa Igreja à respeito disso?


A este respeito, a Sagrada Congregação para os Sacramentos e Culto Divino publicou, em Julho de 2002 um documento proibindo a atitude de sacerdotes que negam ministrar a Comunhão a quem deseja receber Nosso Senhor ajoelhado. Diz o documento: "A recusa da Comunhão a um fiel que esteja ajoelhado, é grave violação de um dos direitos básicos dos fiéis cristãos. (...) Mesmo naqueles países em que esta Congregação adotou a legislação local que reconhece o permanecer em pé como postura normal para receber a Sagrada Comunhão, ela o fez com a condição de que os comungantes desejosos de se ajoelhar não seria recusada a Sagrada Eucaristia. (...) A prática de ajoelhar-se para receber a Santa Comunhão tem em seu favor uma antiga tradição secular, e é um sinal particularmente expressivo de adoração, completamente apropriado, levando em conta a verdadeira, real e significativa presença de Nosso Senhor Jesus Cristo debaixo das espécies consagradas. (...) Os sacerdotes devem entender que a Congregação considerará qualquer queixa desse tipo com muita seriedade, e, caso sejam procedentes, atuará no plano disciplinar de acordo com a gravidade do abuso pastoral." (Protocolo no 1322/02/L) Tal intervenção foi reiterada em 2003.


Também a instrução Redemptionis Sacramentum, instrução publicada pela mesma congregação em 2004, determina: "Qualquer batizado católico, a quem o direito não o proíba, deve ser admitido à sagrada Comunhão. Assim pois, não é lícito negar a sagrada Comunhão a um fiel, por exemplo, só pelo fato de querer receber a Eucaristia ajoelhado ou de pé." (RS, 91)


Com efeito, a forma tradicional que a Santa Igreja tem de receber o Corpo de Nosso Senhor é de joelhos (e diretamente na boca), em sinal de adoração à Nosso Senhor. Se as normas litúrgicas atualmente permitem que se receba o Corpo de Nosso Senhor em pé, é preciso que tenhamos clareza que, se por um lado a concessão torna isso moralmente lícito, por outro lado isto é uma concessão à regra tradicional, e que aqueles que desejarem receber o Corpo de Nosso Senhor ajoelhados, em sinal de adoração, são livres para fazê-lo.


Vejo ainda muitos afirmarem que também na Consagração Eucarística deve-se permanecer em pé e não ajoelhado, e muitos afirmam inclusive que aprenderam isso em Cursos de Liturgia. Mas também quanto à isso à lei da Santa Igreja é clara em afirmar na Instrução Geral no Missal Romano determina que os fiéis estejam "de joelhos durante a consagração, exceto se razões de saúde, a estreiteza do lugar, o grande número dos presentes ou outros motivos razoáveis a isso obstarem. Aqueles, porém, que não estão de joelhos durante a consagração, fazem uma inclinação profunda enquanto o sacerdote genuflecte após a consagração." (IGMR, 43)


Temos então, nestas situações em que citamos, algo como se fosse uma "joelhofobia", em desacordo com o senso litúrgico e em desobediência explícita à lei da Santa Igreja. E escuto para isso argumentações como: "Deve-se estar não de joelhos, mas em pé como sinal de prontidão"; ou "A Eucaristia é banquete e ninguém come ajoelhado"; ou ainda "A Eucaristia é para ser comida, não para ser adorada". Ora, todas estas argumentações estão equivocadas!


A Consagração e a Comunhão Eucarística são, antes de qualquer coisa, momentos sublimes de adoração, pois a Hóstia Consagrada é a Presença Real de Nosso Senhor; já dizia Santo Agostinho, Doutor da Santa Igreja: "Ninguém coma desta Carne se antes não A adorou."  A Santa Missa é a Renovação do Único e Eterno Sacrifício de Nosso Senhor, e embora tenha uma dimensão de banquete e ceia, é um banquete essencialmente sacrifical, que perde totalmente o sentido se não reconhecermos nele a dimensão de Sacrifício. Na Santa Missa não nos alimentamos de uma comida qualquer como em um banquete ou ceia comuns, mas sim do Carne e do Sangue de Nosso Senhor, sob a aparência do pão e do vinho. Por isso nos ensinou o saudoso Papa João Paulo II que não se pode esquecer que o "banquete eucarístico tem também um sentido primária e profundamente sacrifical" (Mane Nobiscum Domine, 15).


Ocorre que, na atual crise doutrinária e litúrgica que vivemos, muitos "católicos" ditos "progressistas" negam ou obscurecem a Presença Real de Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento do Altar e o caráter sacrifical da Santa Missa, vivendo-a como se fosse um simples banquete, ceia, festa ou reunião social. Sobre isso, lamenta o saudoso Papa João Paulo II na sua fabulosa encíclica Ecclesia de Eucharistia: "As vezes transparece um compreensão muito redutiva do mistério eucarístico. Despojado do seu valor sacrifical, é vivido como se em nada ultrapassasse o sentido e o valor de um encontro fraterno ao redor da mesma. Além disso, a necessidade do sacerdócio ministerial, que se fundamenta na sucessão apostólica, fica às vezes obscurecida, e a sacramentalidade da Eucaristia é reduzida à simples eficácia do anúncio. (...) Como não manifestar profunda mágoa por tudo isto? A Eucaristia é um Dom demasiadamente grande para suportar ambiguidades e reduções." (EE 10) Consequência natural disso é a desvalorização e o desaparecimento, em muitos lugares, do sinais e símbolos litúrgicos que expressam a fé católica no que diz respeito ao Santo Sacrifício da Missa, tais como: os paramentos litúrgicos, as velas, o incenso, a genuflexão, o dobrar os joelhos e assim por diante.


É necessário uma nova tomada de consciência entre os católicos, para que, em obediência ao Sumo Pontífice Gloriosamente Reinante - o Papa Bento XVI -, o Santo Sacrifício da Missa seja conhecido e valorizado em sua essência, seus sinais e símbolos sejam também valorizados e as leis litúrgicas sejam, de fato, obedecidas, contrapondo-nos à isto que é como se fosse uma "joelhofobia" e à todos os demais abusos litúrgicos, para a Glória de Nosso Senhor Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento.








26 de out de 2010

Susan Boyle revela que a fé católica de sua mãe salvou-a do aborto

Vejam que maravilha!
A cantora que ficou mundialmente conhecida, Susan Boyle, declarou em seu recente livro autobiográfico, que deve sua vida graças à Fé Católica de sua mãe.
Que bonito!
Em tempos onde a cultura pró-aborto deseja se instalar em nosso país, vemos que a resposta de Deus ao mundo não tarda. 
Homens não podem ditar nem pretender antever o futuro de um vida. Mesmo tendo ela vindo a ser concebida ou gerada de modo trágico.
Lembro-me de Jesus sendo questionado por seus discípulos pelo fato de um certo homem hever nascido cego: "Senhor, quem pecou, este homem, ou seus pais?
Ao que Cristo respondeu: "Nenhum pecou, mas isto é necessário para que se manifeste a graça de Deus."
Confira a notícia na íntegra:
LONDRES, 25 Out. 10 / 05:37 pm (ACI).- Em sua nova autobiografia, a cantora Susan Boyle revelou que está viva graças à fé católica de sua mãe, que se negou a submeter-se a um aborto quando os médicos disseram que sua filha podia nascer com sérias complicações físicas.


Conforme recolhe o site ReligionenLibertad.com, no livro "The Woman I Was Born To Be" Boyle sustenta que os médicos recomendaram o aborto "à sua mãe Bridget Boyle, que tinha outros oito filhos, porque temiam que houvesse complicações físicas (…) Sua mãe rejeitou o conselho como ‘impensável’ dado que ela era ‘uma católica devota’".


"Susan Boyle nasceu de emergência por cesárea. Os médicos não felicitaram Bridget com um ‘felicidades, tem você uma bebê preciosa’, mas sim, explica a biografia, assumiram uma atitude desdenhosa para a pequena Susan, suspeitando que pudesse ter tido dano cerebral devido a uma falta de oxigênio", indica o livro.


Disseram a Bridget Boyle que aceitasse "que a menina não alcançaria muito na vida".


"Estou segura que eles tinham a melhores intenções, mas não acredito que eles deveriam ter dito isso, porque ninguém pode predizer o futuro. O que eles não sabiam era que eu sou uma pessoa lutadora, e toda minha vida estive tentando provar que estavam equivocados", afirma Susan no livro.


Aos 49 anos de idade, Susan Boyle se converteu em fonte de inspiração para milhões de pessoas em todo mundo quando em abril de 2009 se destacou no concurso "Britain´s Got Talent". Recentemente cantou diante do Papa Bento XVI em Glasgow. Seu primeiro álbum vendeu nove milhões de cópias em seis semanas e foi o mais vendido do ano na Grã-Bretanha.

23 de out de 2010

A Igreja amordaçada pelo PT

Mais uma vez o Pe. Paulo Ricardo fala com ousadia sobre as eleições 2010.Denunciando o caráter totalitário do PT (Partido das Trevas).Veja o vídeo e tire as suas conclusões, estamos aqui para alertar o perigo que ronda o Brasil. Convidamos a todos para que desde já possamos rezar pelas eleições 2010, principalmente nessa semana decisiva. Veja aqui o CERCO DE JERICÓ pelas eleições 2010. 



Vídeo do Pe. Paulo Ricardo denunciando o caráter totalitário do PT



Deus abençoe o Brasil... E a Virgem Maria nos livre das garras do comunismo.

PAX aos Evangelizadores comprometidos com o Evangelho autêntico e verdadeiro!

20 de out de 2010

Nós somos a Igreja da Cruz

Confira aqui um clipe emocionante que nos faz refletir a paixão do Senhor e a importância da tão amada Cruz. 

Se Deus te falou através desse clipe, comente neste post e partilhe conosco a sua oração.



"A cruz é para nós como o Sol"

Cerco de Jericó, pelas eleições 2010









Amados dos Sagrados Corações de Jesus e de Maria, que a Paz, a VERDADEIRA Paz, esteja convosco!


No Antigo Testamento, depois da morte de Moisés, Deus escolheu Josué para conduzir o povo hebreu. Deus disse a Josué que atravessasse o Jordão com todo o povo e tomasse posse da Terra Prometida. A cidade de Jericó era uma fortaleza da qual ninguém saia ou entrava. Ao chegar junto às muralhas de Jericó, Josué ergueu os olhos e viu um Anjo, com uma espada na mão, que lhe deu ordens concretas e detalhadas.

Josué e todo Israel executaram fielmente as ordens recebidas: durante seis dias, os valentes guerreiros de Israel deram uma volta em torno da cidade. No sétimo dia, deram sete voltas. Durante a sétima volta, ao som da trombeta, todo o povo levantou um grande clamor e, pelo poder de Deus, as muralhas de Jericó caíram… (cf. Js 6).

Amados, como todos podemos ver, estamos passando por momentos difíceis e conturbados com relação as eleições presidenciais; E além do chamado de agir e demonstrar nossa fé, temos um outro chamado, mais forte e muito especial, o chamado a ORAÇÃO.

Assim como em Jericó, só a oração vigilante derrubará muro da iniqüidade que está se formando em nosso país. E esta batalha não será vencida se a ORAÇÃO estiver AUSENTE. O Cerco de Jericó é uma oração constante e ininterrupta que destrói o mal, a heresia, a apostasia e a iniqüidade, libertando o povo de Deus de forma eficaz.

Em uma carta enviada a Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, bispo de Guarulhos(SP), um Leigo foi inspirado pelo Espírito Santo a convidar todos os católicos a uma união de oração. Veja aqui

E unidos neste mesmo empenho, CONVOCAMOS então a TODOS OS FILHOS E FILHAS AMADOS do CORAÇÃO IMACULADO DE MARIA a fazermos um Cerco de Jericó “ On Line”, durante 7 dias, pelas intenções das eleições no Brasil.

Iniciando dia 23/10 e finalizando dia 30/10. Rezaremos pedindo a Deus que não permita que a maldição do aborto entre em nosso país e que o Senhor não permita que o um partido comunista esteja no poder. O Cerco de Jericó é uma oração forte e amplamente poderosa quando rezada em unidade e perseverança. Por isso peço que cada um escolha uma hora do dia ou da noite ou da madrugada, para rezar um terço por estas intenções (para aqueles que trabalham e estudam rezar 1 creio em Deus Pai, 7 Pai Nossos, 7 Ave Maria e 7 Gloria ao Pai, em honra as chagas de Jesus).

Precisamos estar UNIDOS com nossos terços na mão para que consigamos vencer esta batalha! Peço a todos que não desprezem este chamado que vem de Deus. Só a oração pode salvar o mundo e o Brasil do flagelo do Socialismo e Comunismo.

Pedimos que aqueles que aderirem ao Cerco de Jericó on-line, acessem a pagina do Blog, como forma de estar em unidade conosco, pois somos muitos e creio que a todo momento estaremos em unidade.

As armas humanas podem falhar, as espirituais nunca!

Unidos com Maria derrubaremos este muro com o soar das trombetas da oração ininterrupta.

Pedimos apenas que aqueles que se unirem conosco, enviem o nome e o horário que estará em oração, pelo e-mail: 
grupodeoracao@mosteiroreginapacis.org.br 

Paz e bem! E avante com Cristo levantando a bandeira do Amor e assim, Jericó cairá!

19 de out de 2010

Por que sou Católico?

"Estai sempre prontos a responder para vossa defesa a todo aquele que vos pedir a razão de vossa esperança..." (1Pd 3,15).




Paz e Bem irmãos!

Me chamo Pedro, faço parte da Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus, no Roger, atualmente sou Catequista de Crisma, coordeno o EJC e também integro um ministério de música da paróquia. 

Foi com muita alegria que aceitei o convite para ser colaborador aqui do blog. Daqui em diante estaremos crescendo espiritualmente e aprendendo juntos, a amar cada vez mais, a Igreja de Nosso Senhor! 

Nos tempos presentes tornou-se frequente escutarmos frases de tal cunho: “filho, todas as religiões são boas, não importa que sejamos Luterano, Espírita, do Candomblé, Zen, Maçônico, Budista ou Católico, o importante é que Jesus pregou o Reino na compreensão, na humildade, e na fraternidade entre os povos... então nossos esforços devem estar concentrados sempre em favor de atos que congreguem e não para segregar”.  

Parece bonito, mas, infelizmente e desgraçadamente esse discurso está também na boca de nossos Sacerdotes. Já explico porque digo infelizmente.

Ora, sabemos muito bem que o princípio da unidade é a Verdade, de modo que é impossível algo ou alguém conceber Verdade estando em si, dividido, fragmentado, pois que a Verdade deixaria de ser objetiva, passando a ser particular.

Cada qual possuiria uma parte dessa Verdade, sendo impossível alguém possuí-la por inteiro.

Cada um tem a sua.

Nada mais mentiroso que isso!

O nosso querido Papa, Bento XVI, tem lutado bravamente contra essa onda de relativismo e essa moda de pluralismo religioso que se instalou na mentalidade moderna.

E é exatamente aí que nós entramos.

Você, Católico, não professa “uma” verdade, mas,” A” Verdade!

Cristo é A Verdade, e sendo Deus Encarnado, manifestou-Se a nós e nos deu a conhecer Aquele que é A Verdade por Excelência.

Isso nos torna diferente de qualquer religião. Pois Buda não é Deus, Maomé não é Deus, Zoroastro não é Deus, Confúcio também não é Deus e nem pretende ser.

Se Cristo é Deus, e manifestou intenção de fundar uma Igreja, ela existe e deve ser facilmente reconhecida.

Essa Igreja deve ser portadora da Verdade.

Por isso, ela deve ser infalível em sua Doutrina e sua Moral!

Sabemos que foi a Simão a quem Cristo disse: "Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja" (Mt. 16,18).

Foi sob a autoridade de Pedro que Cristo quis edificar sua Igreja, por isso acrescentou: “Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus...” (Mt. 16,19).

Quem possui as chaves de algo é porque tem autoridade sobre este, e Cristo a deu a Pedro.
Sabemos, ainda, que Cristo ordenou aos Apóstolos: “ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” (Mc. 16,15); e ainda afirmou: “quem vos ouve a mim ouve” (Lc. 10,16).

Deste modo a Igreja de Cristo deve ser:

1- UNA: pois que a Unidade é pressuposto da Verdade. Não há unidade sem verdade. Una na Fé, um só Batismo, uma só doutrina, um só chefe: o Papa.


2- SANTA: tendo em vista que o próprio Cristo manifestou intenção de fundar Sua Igreja. 



3- CATÓLICA: pois é destinada a todos os povos, ricos e pobres, judeus e gentios, sábios e ignorantes, de todas as raças, ou seja, Universal.


4- APOSTÓLICA: as autoridades devem derivar dos próprios Apóstolos, assim como estes derivam de Cristo, seu fundador. Seu legado invariavelmente deve ter sucessão nos Apóstolos de Cristo.

Por isso somos Católicos!
Pois somente a Igreja Católica conserva a pureza da unidade. Em todos os cantos do mundo, em todas as 
partes onde está presente Ela é a mesma.

Por isso somos Católicos!
Pois é nesta Igreja, que Cristo se faz verdadeiramente e substancialmente presente, sob as espécies do Pão e do Vinho, que torna-se Corpo e Sangue no Sacramento do Altar, dando-lhe em seu coração a Santidade do Seu Senhor.

Por isso somos Católicos!
Pois esta Igreja percorre e percorreu longos dois mil anos anunciando o Evangelho de seu Senhor a todas as criaturas viventes.

Por isso somos Católicos!
Porque nesta Igreja se conserva, por vontade divina, o “depositum fidei” que Cristo legou aos Apóstolos.
Pois, nesta Igreja, a promessa de Cristo se concretiza!

“Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo.”(Mt 28,20)

Por isso, sou Católico, pela graça de Deus!

Bispos da CNBB são ameaçados de morte por causa de um panfleto


Imprima e distribua, hoje mesmo, os panfletos mais polêmicos do Brasil: clique na imagem para o download
1,1 milhão de panfletos pró-vida da CNBB Sul 1 foram apreendidos, ontem, no Cambuci, em São Paulo, pela Polícia Federal, após pedido do PT encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral. O conteúdo dos panfletos: a carta dos bispos católicos (o presidente, o vice-presidente e secretário-geral do Regional Sul 1 da CNBB) denunciando tudo o que o PT já fez para tentar legalizar o aborto no Brasil.
Pela denúncia os bispos católicos foram ameaçados de morte. É o que testemunha o bispo de Guarulhos/SP, Dom Luiz Bergonzini em carta publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, domingo: “É algo muito grave e inadmissível. Anteriormente, recebi uma carta anônima com velada ameaça à minha vida, que já está nas mãos da polícia.”
Também ameaçado, o presidente da CNBB Sul 1, Dom Nelson Westrupp, bispo de Santo André/SP, reuniu-se com os bispos de São Paulo que participam da 32ª Assembleia das Igrejas Particulares do Regional Sul 1 e afirmou em nota: “o Regional Sul 1 da CNBB desaprova a instrumentalização de suas Declarações e Notas e enfatiza que não patrocina a impressão e a difusão de folhetos a favor ou contra candidatos“.
Isso aconteceu no mesmo sábado em que os militantes do PT organizaram uma abordagem à gráfica do Cambuci na qual estavam sendo impressos os panfletos da CNBB Sul 1, como foi divulgado por reportagem da Rede Record. Os petistas organizaram a abordagem à gráfica também pelo twitter:



Quem ameaça os bispos católicos? Provavelmente alguém que não quer que a divulgação dos panfletos pró-vida continue.
Mas, apesar das ameaças, o vice-presidente do Regional Sul 1 da CNBB, dom Benedito Beni dos Santos, o bispo da Canção Nova, avisa que a divulgação dos panfletos – iguais aos apreendidos pela Polícia Federal – vai continuar: “Distribuímos para 31 paróquias da diocese [de Lorena] e continuamos distribuindo no segundo turno. Estamos sendo fiéis ao que o representativo do Regional 1 pediu“.

FAÇA O DOWNLOAD DOS PANFLETOS AQUI http://www.deuslovult.org/wp-content/uploads/2010/10/texto-frente.pdf

http://www.deuslovult.org/wp-content/uploads/2010/10/texto-miolo.pdf