31 de out de 2010

O Purgatório existe?


Paz e Bem, amados!
   
Muito se discute sobre o Purgatório e, infelizmente, muitas pessoas criam concepções erradas e acabam por distorcer toda a verdade.

Vamos entender:

  
 Em primeiro lugar, preciso comentar que muitas pessoas negam a sua existência por não aparecer a palavra 'purgatório' na Bíblia, PORÉM, tais pessoas não tem se quer a vergonha na cara de pesquisar sobre o assunto e notar que a Sagrada Escritura está REPLETA de passagens que falam sobre o mesmo.


Eis aqui algumas das passagens:

Mq 7,8-9
2Mc 12,45-46
Mt 5,25-26
Mt 12,31-32
Lc 12,47-48
Lc 12,58,59
1Cor 3,15
1Pd 3,19
1Pd 4,6

Mostrarei a explicação de uma das passagens, retiradas do blog do Prof. Felipe Aquinoo qual escreveu um livro só falando sobre o purgatório("Purgatório: O que a Igreja ensina"):


- Na passagem de Mc 3,29, também há uma imagem nítida do Purgatório:”Mas, se o tal administrador imaginar consigo: ‘Meu senhor tardará a vir’. E começar a espancar os servos e as servas, a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele servo virá no dia em que não o esperar (…) e o mandará ao destino dos infiéis.O servo que, apesar de conhecer a vontade de seu senhor, nada preparou e lhe desobedeceu será açoitado com numerosos golpes. Mas aquele que, ignorando a vontade de seu senhor, fizer coisas repreensíveis será açoitado com poucos golpes.” (Lc 12,45-48). É uma referência clara ao que a Igreja chama de Purgatório. Após a morte, portanto, há um “estado” onde os “pouco fiéis” haverão de ser purificados.

Purgatório é certeza do céu:"Aqueles que morrem na graça e na amizade de Deus, mas imperfeitamente purificados, estão certos da sua salvação eterna, todavia sofrem uma purificação após a morte, afim de obter a santidade necessária para entrar na alegria do céu" (CIC, §1030).

O grande doutor da Igreja, São Francisco de Sales (1567-1655), tem um ensinamento maravilhoso sobre o purgatório. Ele ensinava, já na idade média, que "é preciso tirar mais consolação do que temor do pensamento do Purgatório". Eis o que ele nos diz:
1 - As almas alí vivem uma contínua união com Deus.
2 - Estão perfeitamente conformadas com a vontade de Deus. Só querem o que Deus quer. Se lhes fosse aberto o Paraíso, prefeririam precipitar-se no inferno a apresentar-se manchadas diante de Deus.
3 - Purificam-se voluntariamente, amorosamente, porque assim o quer Deus.
4 - Querem permanecer na forma que agradar a Deus e por todo o tempo que for da vontade Dele.
5 - São invencíveis na prova e não podem ter um movimento sequer de impaciência, nem cometer qualquer imperfeição.
6 - Amam mais a Deus do que a si próprias, com amor simples, puro e desinteressado.
7 - São consoladas pelos anjos.
8 - Estão certas da sua salvação, com uma esperança inigualável.
9 - As suas amarguras são aliviadas por uma paz profunda.
10 - Se é infernal a dor que sofrem, a caridade derrama-lhes no coração inefável ternura, a caridade que é mais forte do que a morte e mais poderosa que o inferno.
11 - O Purgatório é um feliz estado, mais desejável que temível, porque as chamas que lá existem são chamas de amor.



“Ite et inflamate” (IDE E INCENDIAI!)

Pax!