24 de abr de 2012

A Existência de Deus


"Ninguém afirma: “Deus não existe” sem antes ter desejado que Ele não exista". Joseph de Maistre (filósofo).


Deus é o nosso Criador. É muita vaga a resposta de uma pessoa que diz não acreditar em nada, no mínimo vai se questionar como estamos aqui e para que finalidade, o ser humano não pode ter surgido do nada e o universo não pode ter sido obra do acaso.

Deus é aquele que é. Quando Moisés perguntou a Deus qual era o seu nome, Deus lhe respondeu: "Eu Sou aquele que É" (Êxodo 3,15). Também Jesus Cristo ao discutir com os fariseus lhes disse: "Antes que Abraão fosse, Eu Sou" (Jo. 8, 58). Os judeus pegaram pedras para matá-lo porque dizendo “Eu Sou” Ele se dizia Deus. Do mesmo modo, quando Caifás esconjurou que Cristo dissesse se era o Filho de Deus, Ele lhe respondeu: "Eu Sou" (São Lucas 22,70). E Caifás entendeu bem que Ele se disse Deus, porque imediatamente rasgou as vestes dizendo que Cristo blasfemara afirmando-se Deus.

De acordo com a filosofia de São Tomas de Aquino com o uso da razão é possível demonstrar a existência de Deus, para isto propõe as 5 vias de demonstração:

Primeira via - Primeiro Motor Imóvel
Tudo o que se move é movido por alguém, é impossível uma cadeia infinita de motores provocando o movimento dos movidos, pois do contrário nunca se chegaria ao movimento presente, logo há que ter um primeiro motor que deu início ao movimento existente e que por ninguém foi movido.

Segunda via - Causa Primeira
Para todo efeito existe uma causa. Nada pode ser causa de si mesma, porque teria que ser anterior a si mesma. Portanto neste mundo visível as causas se sucedem de forma eficiente, como por exemplo a chuva é causada pela evaporação que é causada pelo calor, que é causado pelo Sol. Se as causas fossem indefinidas não existiria a primeira causa, ora as coisas existem, logo tem de existir uma causa primeira que tudo causou e que não foi causada. Deus é a causa das causas não causada, Deus teve que criar o Sol, para que ele fosse causa do calor (exemplo acima).

Terceira via - Ser Necessário
Os seres da natureza existem, mas poderiam não existir, são finitos, houve um tempo que não existiam, porque seria impossível que tenham sempre existido. Contudo, se nesse tempo nada existia, também nada existiria hoje, porque aquilo que não existe não pode passar a existir por si mesmo. O que existe só pode existir em virtude de um ente já existente (como na questão “Quem veio primeiro, o ovo, ou a galinha?”), é necessário que algum ente já exista para dar existência a todas as coisas. Esse ser tem em si mesmo razão de sua existência, porque se não tivesse também dependeria de outro ente para existir, logo, tem que ter existido sempre. Nele, a existência se identifica com a essência. Este ser necessário é Deus.

Quarta via - Ser Perfeito
Quando comparamos as coisas e dizemos que uma é mais bela do que a outra, por exemplo, só podemos dize-lo tendo partindo de um ideal de beleza perfeita, comparamos com o máximo da perfeição.

Portanto, tem que existir a Verdade absoluta, a Beleza absoluta, o Bem absoluto, a Nobreza absoluta, etc. Todas essas perfeições em grau máximo e absoluto coincidem em um único ser, porque, conforme diz Aristóteles, a Verdade máxima é a máxima entidade. O Bem máximo é também o ente máximo.

Quinta via - Inteligência Ordenadora
Os seres irracionais agem com um objetivo. Pode-se comprovar isto porque agem sempre da mesma maneira para conseguir o que mais convém. Não agem por acaso, agem intencionalmente, por exemplo um cão que obedece o dono para ganhar uma recompensa. O que não é racional somente pode atingir uma meta se é dirigido por alguém que é racional. Por exemplo, uma flecha não pode por si buscar o alvo. Ela tem que ser dirigida para o alvo pelo arqueiro. De si, a flecha é cega. Se vemos flechas se dirigirem para um alvo, compreendemos que há um ser inteligente dirigindo-as para lá. Assim se dá com o mundo. Logo, existe um ser inteligente que dirige todas as coisas naturais a seu fim próprio. A este ser chamamos Deus.

Existe uma ordem no universo que é facilmente verificada, ora toda ordem é fruto de uma inteligência, não se chega à ordem pelo acaso e nem pelo caos, logo há um ser inteligente que dispôs o universo na forma ordenada.

Essa ordem do universo e de tudo que ele contém é que leva muitos cientistas a afirmar a existência de Deus. O cientista Patrick Glynn, Ph.D., formado em Harvard (EUA) e Cambridge (Inglaterra), afirmou que o universo não é aleatório e parece ter um principio antrópico. Brandon Carter e outros cientistas descobriram uma série de misteriosas “coincidências” no universo, cujo único denominador comum era preparar o aparecimento do homem. A mínima alteração das forças fundamentais da Física – gravidade, eletromagnetismo, a sólida energia nuclear ou a fraca energia nuclear – teria como resultado um universo irreconhecível e completamente adverso a possibilidade de vida. O universo foi criado na perfeição, num equilíbrio perfeito cuja meta era o homem.

A complexidade do universo, da natureza e do próprio funcionamento do corpo humano somente pode ter sido fruto de uma inteligência criadora.

Daniel Godri afirma: “O espermatozóide que gerou você “concorreu” com 360 milhões de outros, chegando em primeiro lugar ao óvulo. Cada um de nós foi uma simples célula, mas hoje temos 60 trilhões delas, mais do que as estrelas do céu. Nosso corpo tem 200 ossos, 560 músculos, mais de 8 quilômetros de fibras nervosas, 4 milhões de estruturas sensíveis ao tato; nosso sangue percorre 270.000 km/dia, percorrendo mais de 70 mil veias, artérias e vasos capilares, para que a vida aconteça. Os nossos pulmões mandam 23.160.000 litros de sangue para o corpo, durante o ano. O coração em um único dia bate mais de 103.000 vezes, cerca de 36 milhões de batida por ano. Nossos olhos possuem mais de 100 milhões de receptores que nos dão a possibilidade de discernir as cores, o dia da noite, e contemplar as belezas da natureza. Nossa pele se renova sem cessar a cada micro de segundo, sem alterar a sua forma. Nossos ouvidos possuem 24 mil fibras que vibram a cada som, cada palavra. Nosso cérebro tem mais de 10.000 km de fios e cabos; 13 bilhões de células nervosas e pode processar até 30 bilhões de “bits” por segundo (um computador inimaginável!). Nosso sistema nervoso contém cerca de 28 bilhões de neurônios, sendo cada um minúsculo computador auto-suficiente capaz de processar 1megabit (1 milhão de bits). Será que o acaso poderia fabricar tudo isto? É lógico que não. Então, Deus existe! E se Ele existe, você não pode ficar indiferente a Ele. A felicidade é impossível sem o descobrir e o obedecer.”

Catecismo da Igreja Católica

D.14.3 Existência de Deus

§31 Criado à imagem de Deus, chamado a conhecer e a amar a Deus, o homem que procura a Deus descobre certas "vias" para aceder ao conhecimento de Deus. Chamamo-las também de "provas da existência de Deus", não no sentido das provas que as ciências naturais buscam, mas no sentido de "argumentos convergentes e convincentes" que permitem chegar a verdadeiras certezas.

Estas "vias" para chegar a Deus têm como ponto de partida a criação: o mundo material e a pessoa humana.

§33 O homem: Com sua abertura à verdade e à beleza, com seu senso do bem moral, com sua liberdade e a voz de sua consciência, com sua aspiração ao infinito e à felicidade, o homem se interroga sobre a existência de Deus. Mediante tudo isso percebe sinais de sua alma espiritual. Como "semente de eternidade que leva dentro de si, irredutível à só matéria" sua alma não pode ter origem senão em Deus.

§34 O mundo e o homem atestam que não têm em si mesmo nem seu princípio primeiro nem seu fim último, mas que participam do Ser em si, que é sem origem e sem fim. Assim por estas diversas "vias", o homem pode aceder ao conhecimento da existência de uma realidade que é a causa primeira e o fim último de tudo, "e que todos chamam Deus"

§35 As faculdades do homem o tomam capaz de conhecer a existência de um Deus pessoal. Mas, para que o homem possa entrar em sua intimidade, Deus quis revelar-se ao homem e dar-lhe a graça de poder acolher esta revelação na fé. Contudo, as provas da existência de Deus podem dispor à fé e ajudar a ver que a fé não se opõe à razão humana.

§46 Quando escuta a mensagem das criaturas e a voz de sua consciência, o homem pode atingir a certeza da existência de Deus, causa e fim de tudo.

§48 Podemos realmente falar de Deus partindo das múltiplas perfeições das criaturas, semelhanças do Deus infinitamente perfeito, ainda que nossa linguagem limitada não esgote seu mistério.

§286 Sem dúvida, a inteligência humana já pode encontrar uma resposta para a questão das origens. Com efeito, a existência de Deus Criador pode ser conhecida com certeza por meio de suas obras, graças à luz da razão humana, ainda que este conhecimento seja muitas vezes obscurecido e desfigurado pelo erro. É por isso que a fé vem confirmar e iluminar a razão na compreensão correta desta verdade: "Foi pela fé que compreendemos que os mundos foram formados por uma palavra de Deus. Por isso é que o mundo visível não tem sua origem em coisas manifestas" (Hb 11,3).



Fontes:
http://www.catolicismoromano.com.br/content/view/377/37/
http://temaspolemicosigreja.blogspot.com.br/2010/10/existencia-de-deus.html
http://blog.cancaonova.com/felipeaquino/category/ciencia-e-fe/page/6/