18 de out de 2010

A Eucaristia




      
     Abro essa formação com as palavras de João Paulo II, que inicia na Carta Encíclica Ecclesia de Eucharistia: “A Igreja vive da Eucaristia”. É nessa verdade que estamos fincados. Jesus está verdadeiramente presente sob as espécies do Pão e do Vinho. Continua João Paulo II em sua bela encíclica: “O Concílio Vaticano II justamente afirmou que o sacrifício eucarístico é “fonte e centro de toda a vida cristã” (Const. dogm. sobre a Igreja Lumen gentium, 11). “Na santíssima Eucaristia, está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, isto é, o próprio Cristo, a nossa Páscoa e o pão vivo que dá aos homens a vida mediante a sua carne vivificada e vivificadora pelo Espírito Santo” (Conc. Ecum. Vat. II, Decr. sobre o ministério e a vida dos sacerdotes Presbyterorum ordinis, 5). Por isso, o olhar da Igreja volta-se continuamente para o seu Senhor, presente no sacramento do Altar, onde descobre a plena manifestação do seu imenso amor”.
       O Catecismo da Igreja Católica no §1373 diz que: Jesus está presente de múltiplas maneiras em Sua Igreja: em sua Palavra, nas orações, nos pobres, nos doentes, em seus sacramentos, dos quais ele é o autor, no sacrifício da missa e na pessoa do ministro. Mas "SOBRETUDO (está presente) sob as espécies eucarísticas". Jesus é vivo e real na Eucaristia. Mais a frente no §1374 diz: “No santíssimo sacramento da Eucaristia estão contidos verdadeiramente, realmente e substancialmente o Corpo e o Sangue juntamente com a alma e a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo e, por conseguinte, o Cristo todo". É lindo apreciar a beleza da Igreja de Cristo, que é verdadeiramente sábia em afirmar que Jesus está presente de forma mais concreta na Eucaristia.
       A Eucaristia está fundamentada na Sagrada Escritura no Evangelho de João 6, 27-59. Onde Cristo fala aos judeus que Ele é o Pão da Vida, o Pão vivo descido do Céu. Os Judeus ficam perturbados com tais palavras de Jesus e não acreditam no seu discurso. Perceba que os Judeus dizem: Como pode este homem dar-nos de comer a sua carne?” (Jo 6,52), o verbo usado na pergunta deles é o verbo "phagein" (comer, deglutir). Jesus reafirma o que disse, com mais veemência: Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmos.” (...) “Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida.” (Jo 6, 53.55). O verbo usado por Jesus não é o verbo "phagein", mas o verbo "trogô", que significa mastigar, dilacerar com os dentes. Jesus mostra aos Judeus que não se trata de uma parábola ou simbolismo, é um acontecimento real. É o próprio Jesus, o Pão vivo descido do céu que se dar em alimento. Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amado. Nós Católicos comungamos da carne do Filho de Deus.
      O Nosso atual Papa Bento XVI escrevendo sobre a Eucaristia na exortação apostólica Sacramentum Caritatis, associa a virgem Maria a esse grande mistério de amor que é Jesus Eucarístico. Diz o Papa: “Maria inaugura a participação da Igreja no sacrifício do Redentor. Ela é a Imaculada que acolhe incondicionalmente o dom de Deus, e desta forma fica associada à obra da salvação. Maria de Nazaré, ícone da Igreja nascente, é o modelo para cada um de nós saber como é chamado a acolher a doação que Jesus fez de Si mesmo na Eucaristia”. (Sacramentum Caritatis, 33)
            
          Veja o que alguns Santos falam sobre a Eucaristia:
            
       “Não me agradam comida passageira, nem prazeres desta vida. Quero pão de Deus que é a carne de Jesus Cristo” (Sto. Inácio Mártir, Bispo de Antioquia, escrevendo aos Romanos, parágrafo 7, cerca de 80-110 d.C.).
          
         “Está comida nós a chamamos Eucaristia... nós não recebemos essas espécies como pão comum ou como bebida comum; mas como Cristo Jesus nosso Salvador, assim também ensinamos que o alimento consagrado pela Palavra da oração que vem dele, de que a carne e o sangue são, transformação, Carne e Sangue daquele Jesus Encarnado” (São Justino Presbítero, I Apologia, cap. 66 cerca de 148-155 d.C.).
            
        “Assegurem, portanto, que se observe uma Eucaristia comum; pois há um Corpo de Nosso Senhor, e apenas um cálice de união com seu Sangue e apenas um altar de sacrifício”. (Stº Inácio de Antioquia – Carta aos Filadelfos – ano 110 d.C.)

       Nós do Ou Santos ou Nada, convidamos todos a participarem assiduamente da Santa Missa, não só aos Domingos como somos chamados a participar. Mas também diariamente, recebendo das mãos do sacerdote de Deus o único e eterno sacrifício do Filho de Deus, Jesus Eucarístico. Também convidamos aos jovens a adorarem o Senhor no véu do Sacramento, em qualquer Igreja ou capela que se encontrar Jesus no sacrário.

Deus abençoe a todos!

Unidos pela fé Eucarística, ousamos dizer: Ou Santos ou Nada!

PAX aos defensores da Fé Católica!